domingo, 26 de abril de 2009

Nuno Álvares Pereira


D. Nuno Álvares Pereira nasceu em Cernache do Bonjardim, concelho do Sertã (há cronistas que referem Flor da Rosa como local de nascimento [1]). É um dos 26 filhos conhecidos do prior do Crato, D. Álvaro Gonçalves Pereira e de D.Iria Gonçalves do Carvalhal. Casou com Leonor de Alvim a 1377 em Vila Nova da Rainha, freguesia do concelho de Azambuja.



Quando o Rei Fernando de Portugal morreu em 1383, sem herdeiros a não ser a princesa D.Beatriz casada com o Rei João I de Castela, D. Nuno foi um dos primeiros nobres a apoiar as pretensões de João, o Mestre de Avis à coroa. Apesar de ser filho ilegítimo de D. Pedro I de Portugal, D. João afigurava-se como uma hipótese preferível à perda de independência para os castelhanos. Depois da primeira vitória de D. Nuno Álvares Pereira frente aos castelhanos na batalha dos Atoleiros em Abril de 1384, D. João de Avis nomeia-o Condestável de Portugal e Conde de Ourém.

A 6 de Abril de 1385, D. João é reconhecido pelas cortes reunidas em Coimbra como Rei de Portugal. Esta posição de força portuguesa desencadeia uma resposta à altura em Castela. D. João de Castela invade Portugal com vista a proteger os interesses de sua mulher D. Beatriz. D. Nuno Álvares Pereira toma o controlo da situação no terreno e inicia uma série de cercos a cidades leais a Castela, localizadas principalmente no Norte do país.


Estátua de Nuno Álvares Pereira, do escultor Leopoldo de Almeida, em frente do Mosteiro da BatalhaA 14 de Agosto, D. Nuno Álvares Pereira mostra o seu génio militar ao vencer a batalha de Aljubarrota à frente de um pequeno exército de 6000 portugueses e aliados ingleses, contra as 30 000 tropas castelhanas. A batalha viria a ser decisiva no fim da instabilidade política de 1383-1385 e na consolidação da independência portuguesa. Finda a ameaça castelhana, D. Nuno Álvares Pereira permaneceu como condestável do reino e tornou-se Conde de Arraiolos e Barcelos. Entre 1385 e 1390, ano da morte de D. João de Castela, dedicou-se a realizar raides contra a fronteira de Castela, com o objectivo de manter a pressão e dissuadir o país vizinho de novos ataques.

2 comentários:

Madalena disse...

Há pouco tempo, visitei a zona onde a sua acção se revelou um verdadeiro "milagre" da sua natureza corajosa e do seu sentido de justiça. São Nuno, a partir do dia 26, às 10 da manhã, como sublinhou o Padre que casou o Rafa e a Sofia! Precisamos de mais gente como ele! Bom Dia do Trabalhador, Raz! Beijinhos às forminguinhas!

raz disse...

Muito obrigado és muito simpática ;)

Sim são precisos nobres paladinos para revelar aquilo que aos poucos o homem perde ao longo do tempo.


Obrigado e igualmente
Bom dia do trabalhador

Meus melhores cumprimentos
Raz