quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Terreiro do Paço






Fonte - Wikipédia
Fotos - Raz



A Praça do Comércio, mais conhecida por Terreiro do Paço, é uma praça da Baixa de Lisboa situada junto ao Rio Tejo, na zona que foi o local do palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos. É uma das maiores Praças da Europa, com cerca de 36000m² (180m x 200m).
Em 1511, o rei D. Manuel I transferiu a sua residência do Castelo de São Jorge para este sítio junto ao rio. Este palácio, bem como a sua biblioteca de 70.000 volumes, foram destruídos pelo terramoto de 1755. Na reconstrução, a praça tornou-se no elemento fundamental do plano do Marquês de Pombal. Os edifícios, com arcadas que circundam a praça, albergam alguns departamentos de vários Ministérios do Governo Português, com excepção do famoso café Martinho da Arcada, o mais antigo de Lisboa, e um dos preferidos de Fernando Pessoa.
Após a Revolução de 1910 os edifícios foram pintados a cor-de-rosa republicano. Contudo, voltaram recentemente à sua cor original, o amarelo. O lado sul, com as suas duas torres quadradas, está virado para o Tejo. Essa foi sempre a entrada nobre de Lisboa e, nos degraus de mármore do Cais das Colunas, vindos do rio, desembarcam chefes de estado e outras figuras de destaque (como Isabel II de Inglaterra ou Gungunhana). Ainda é possível experimentar essa impressionante entrada em Lisboa nos cacilheiros, os barcos que ligam a cidade a Cacilhas. Hoje, o espectáculo é prejudicado pelo trânsito na Avenida da Ribeira das Naus, que corre ao longo da margem.

3 comentários:

Madalena disse...

Há uma semana fui a correr a Lisboa ver o Terreiro do Paço com o Cais das Colunas. Completam-se: o cais representa o rio; o Terreiro do Paço representa a cidade. Parabéns por este post que é muito representativo das preocupações com o património conjugado: a que o homem faz e a que vem da ordem máxima da natureza. Abraço!

raz disse...

"a que o homem faz e a que vem da ordem máxima da natureza"

Muito bonito seu comentário

Meus melhores cumprimentos
Raz

CMP disse...

Impossivel n me lembrar dos Sábados madrugadores, onde o frio e o calor se misturaram com conversas simpáticas, misturadas com o cheiro característico de algo tão bom. A paisagem ficará sempre associada a momentos de saudade!